Psiu Poético‎ > ‎

Antologia Poética 2007

 

 
O Livro

 

     A Academia Montesclarense de Letras, o Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros, a Associação Amigas da Cultura e a Prefeitura Municipal de Montes Claros, através da Secretaria Municipal de Cultura realizaram, no dia 29 de outubro de 2007 às 20 h no Centro Cultural Hermes de Paula, o lançamento do livro Antologia Poética do Psiu Poético.

    

O livro, organizado pelo poeta e historiador Dário Teixeira Cotrim e editado na Gráfica e Editora Millennium, em decorrência do 21º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético - MontesClarosCidadeImaginária, reuniu poesias de aproximadamente quarenta poetas de Montes Claros e região.

 

 
 

Seguem, abaixo, as página 52 e 53 que são de minha autoria, com as devida correções (errata).

 

A  página 52  possui o meu nome, seguido de uma pequena biografia e de mais uma dedicatória.

 

A  página 53  contém a poesia trabalhada apropriadamente para o livro.

 

 

Erisvaldo Ferreira Silva (eris)

Psiu Poético

21º Salão Nacional de Poesias

 

ANTOLOGIA POÉTICA

 

ORGANIZADO POR

DÁRIO TEIXEIRA COTRIM

 

EDITORA

MILLENNIUM

 

 

Página 52

 

eris

 

Erisvaldo Ferreira Silva Almeida Ribeiro, eris, nasceu no dia 17 de novembro de 1979 em Porteirinha-MG. Filho de José Ferreira Neto e de Ana Ferreira da Silva, foi criado em Monte Azul / MG até o término de seu Magistério. Amante da natureza e dos frutos que esta produz, foi membro do GEAMOÁ – Grupo Ecológico Acampistas de Monte Azul, chegando a ser presidente do mesmo, por um pequeno período, em 98. Saiu de sua cidade para dar continuidade a sua vida acadêmica em Montes Claros / MG onde cursa, na data de edição deste, Curso Superior de Licenciatura Plena em Matemática, pela Unimontes e trabalha de Auxiliar de Farmácia na Santa Casa deste município. Casado com Fabrícia Almeida Ribeiro Silva possui um casal de filhos: Karolayne Fabrine Ribeiro Silva e Eris Emanoel Ribeiro Silva. Sua página na Internet é www.erisbaldo.xpg.com.br e seu E-Mail é erisbaldo@yahoo.com.br.

 

  

A ...

 

Deus, pais, esposa, filhos, irmãos e parentes,

amigos, colegas, desconhecidos,

ricos, classe média ou carentes.

 

Dedico essa poesia a todos vocês,

pois o Homem é feito de Homens.

De Homens assim como vocês e eu.

De homens (mulheres ou homens)!

De homens filhos de Deus.

 

 

Página 53

 

Montes Claros Imaginária

 

Montes Claros não nasceu

de uma planta* ou de uma sugestão.

Foi aos poucos se formando

de acordo a imaginação.

 

Um “arraiá” que cresceu

e o povo se espalhando, regressou.

E trouxeram novidades

que aqui as implantou.

 

E já não era um mundo isolado.

Já se sabia daqui noutro estado.

 

Criaram-se Praças e Clubes,

Comércios, Hospitais e Escolas,

Casas, Prédios, Pensões e Hotéis

por gente daqui e de fora.

 

Hoje, Montes Claros, tão grande

e de uma população numerosa,

ainda mantém viva a sua cultura

e gera muita gente famosa.

 

Que sai, mas sempre regressa.

Mostrando lá fora essa nossa peça.

 

Montes Claros não nasceu

de uma planta ou de uma sugestão.

Fomos aos poucos a formando

de acordo NOSSA imaginação.

 

* Planta – não se refere a uma árvore, mas sim a um planejamento, uma carta de construção
 

COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO

 


Antologia do Psiu Poético - por Dário Teixeira Cotrim

31/10/2007 - 10h13m
Dário Teixeira Cotrim *

O livro Antologia do Psiu Poético projetado e publicado para comemorar o 21º Salão Nacional de Poesias - Psiu Poético deste ano é de uma excelsitude que o coloca entre aqueles de primeiro momento na história das antologias montes-clarenses. Entretanto, nunca será este livro a fina flor da idiotice como pensam alguns críticos literários, principalmente para aqueles que murmuram com rouquejos na garganta numa mímica repleta de desdém. Pois foi assim a denominação dada à primeira antologia, o que certamente nada de idiotice continha nela senão a expressão de felicidade e sofrimento de seus autores num mesmo tempo. Assim como ocorreu na primeira antologia, estamos dedicando com máximo carinho e uma atenção redobrada na correção dos trabalhos e na sua diagramação o que somente tem nos causado alegria e satisfação á flor da pele. Nós temos certeza dos limites que têm os autores que fazem parte do livro como um todo. Não só temos certeza desses limites como também os respeitamos e até incentivamos que eles venham a ganhar relativa distância através do aprendizado com o simples objetivo de não inibir e nem tampouco amputar a criação literária de cada um.

Há nesta antologia a participação de poetas maduros e famosos. Dentre eles podemos citar os ilustres nomes de Wanderlino Arruda, Aroldo Pereira e Amelina Chaves, poetas já consagrados pela opinião pública. Ainda podemos citar os nomes de Dóris Araújo e Karla Celene poetisas que fazem parte da Academia Montes-clarense de Letras e com alguns livros já publicados. Mas, o que mais nos interessa mesmo e a participação, oportuna e exemplar, dos artistas que vivem no anonimato do mundo artístico. Nesta antologia poética eles fazem parte da maioria dos participantes e por isso mesmo merecem de todos nós montes-clarenses o respeito e a gratidão por difundir a tradição e os costumes de um povo. Até porque esta antologia poética nasceu na sábia asserção de seus poemas os que estão expostos na galeria do Centro Cultural "Hermes de Paula", compondo o 21º Salão Nacional de Poesias - Psiu Poético.

Sequer podemos analisar sinteticamente poema por poema. Não obstante entendermos que a leitura desses poemas traz-nos, de quando em quando, o repúdio ao preconceito - imoral e vergonhoso - e a idéia da desigualdade de classes sociais. Há um chamamento explicito de justiça em cada verso que se lê. Há um questionamento de revolta e de angústia pelo descaso político aos poetas iniciantes, cravado em cada um de seus poemas. Há, entretanto, um canteiro de paixões associado à divina compaixão dos versos os que jamais foram doces e nem fáceis sequer para os seus autores. Por essas e outras é que é salutar analisarmos tão somente os "motivos da criação" e nunca a "criação sem motivos". A quem já não aconteceu sentir a falta de inspiração, a caneta pesada e ficar desanimado diante da folha de papel por causa das indiferenças políticas e sociais? Infelizmente esses poetas anônimos passaram e ainda passam por situações constrangedoras perante a elaboração dos seus escritos. Nada lhes ocorre sobre o assunto proposto senão o clamor da ordem e o da justiça. É assim porque a poesia torna-se muito mais autêntica e nobre, ela vem das entranhas de um coração ferido e não das noitadas festivas, onde o mundo das drogas e o mundo da violência suburbana crescem devassadoramente, produzindo uma falsa literatura sem rumo e sem termo.

Aqui o Conselho Editorial prima pelo trabalho realizado. A garantia de não ser apenas uma fina flor da idiotice, eleva com magnanimidade todos os poemas que fazem parte desta influente obra literária. Nos tempos que correm é necessário muito carinho e, acima de tudo, muito respeito pela produção literária atribuída aos poetas anônimos. Dominado por uma prudência, visivelmente exercitada na observação e na paciência, o Conselho Editorial utilizou de uma fórmula fecunda que não lhe permitiu errar. Pode não parecer, mas é visível o grau de satisfação que habita nos corações de cada um de seus autores.

Por tudo isso é que nós entendemos que "a poesia é a expressão do belo por meio das palavras". Tenho dito!

* Do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros e da Academia Montes-clarense de Letras

Fonte: www.onorte.net

Poesia sem limites: Salão nacional de Poesias Psiu Poético lança coletânea de poemas apresentados na 21ª edição, reunindo, em um mesmo livro, autores novos e consagrados

25/10/2007 - 12h19m
Jerúsia Arruda
Repórter
jerusia@onorte.net

Em tempos de Internet e comunicação à velocidade da luz, é, no mínimo, surpreendente que um projeto literário possa se manter firme por 21 anos consecutivos, como vem acontecendo com o Salão Nacional de Poesias Psiu Poético. Mais surpreendente ainda, por se tratar de poesia, gênero literário que vem sendo colocado à margem da literatura pelo mercado e pelos próprios leitores, que exigem uma forma de comunicação cada vez mais incisiva.

Depois de completar a maioridade, o projeto, agora, aos 21 anos, também é dono do próprio nariz e para marcar essa nova fase, reúne, em livro, poemas e sonetos produzidos por 37 participantes do Salão.

A Antologia Poética foi organizada pelo poeta, ensaísta, advogado e professor Dário Teixeira Cotrim, que recolheu os poemas dos autores que se dispuseram a participar da coletânea e, junto com a gráfica e editora Millennium, produziu o livro que será lançado nesta segunda-feira, 29 de outubro, às 20 horas, no Centro Cultural Hermes de Paula.

Esta é a segunda vez que o Psiu Poético lança uma coletânea. A primeira foi em 1993, na sétima edição do salão.

- Não é fácil realizar projetos desse mote, principalmente em relação ao respaldo financeiro, já que todas as despesas foram subsidiadas pelos escritores participantes. Mas a vontade de ter sua obra publicada, de experimentar a emoção de ver seu trabalho impresso nas páginas de um livro foi suficiente para que a idéia se concretizasse rapidamente e, agora, estamos com o livro pronto para ser lançado – diz Cotrim.

Na apresentação, o poeta Aroldo Pereira, idealizador e curador do Psiu, diz que a coletânea é mais uma homenagem ao sesquicentenário de Montes Claros, uma pequena mostra do universo palpitante que se apresenta a cada edição do Psiu Poético.

- Com essa coletânea podemos nos surpreender com o tratamento do tema montesclaroscidadeimaginária e encantar com versos de poetas jovens e iniciantes como também com a verve de outros experimentados e reconhecidos – diz o poeta.

Participam da Antologia os poetas Aline Oliveira, Amelina Chaves, Ana Maria, Ana Paula, Antonio Soares, Arnaldo Leite, Aroldo Pereira, Caroline, Charlanes, Dailde, Dário Cotrim, Domingos Bispo, Dóris Araújo, Eliane Alkimim, Emanoelle, Erisvaldo, Expedito, Gilmar Gusmão, Gislene, Jason Morais, Karla Celene, Márcio Adriano, Marcos Lima, Maria das Dores, Maria de Lourdes, Maria Iêde, Maria Martins, Marlene, Marlon Barbosa, Natália de Paula, Olímpio Elton, Pedro Lima, Thaisi Diaz, Túlio de Paula, Vera Veríssimo e Wanderlino Arruda.

Segundo Cotrim, a proposta do projeto foi reunir no mesmo espaço literário autores que nunca tiveram a oportunidade de publicar e outros que já tiveram suas obras publicadas em livros.

- Há muito que a poesia deixou de ser uma forma de comunicação romântica, de leitura simples e de fácil compreensão. Hoje, a poesia tem novas vertentes, a liberdade de expressão trouxe novos conceitos, e assuntos como violência, drogas, corrupção e impunidade passaram a fazer parte de seus versos. Os novos poetas trazem para a literatura brasileira esse novo mundo, mas não podemos rotulá-los de marginais, da mesma forma que não podemos dizer que o espaço no mercado é igual para todos. Essa Antologia foi produzida de forma democrática, com poemas que versam sobre vários temas, e os autores escolheram livremente os poemas que gostariam de publicar – explica Cotrim.

Fonte: www.onorte.net
 

setstats1